Israel assassinou a jornalista Shireen Abu Akleh

POR

TRADUÇÃO
CAUÊ SEIGNEMARTIN AMENI

Hoje cedo, as forças israelenses mataram o jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh a sangue frio. Tragicamente, isso não é uma novidade para Israel, que tem tornando cada vez mais frequente o assassinato de repórteres.

Nesta manhã, muitos de nós acordamos com a notícia de que a jornalista veterana da Al Jazeera, Shireen Abu Akleh, havia sido morta na Cisjordânia ocupada. A mulher de 51 anos estava cobrindo um ataque do Exército israelense ao campo de refugiados de Jenin quando foi baleada no rosto por um franco-atirador israelense, apesar de usar um colete a prova de bala escrito “imprensa”. Relatos em primeira mão dizem que, mesmo quando ela caiu após ser atingida, o tiroteio continuou, impedindo que outros jornalistas resgatassem-a.

O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett, com uma característica falta de arrependimento, afirmou que as informações de Israel sugerem que palestinos armados foram responsáveis pela morte do jornalista. Mas o chefe do escritório da Al Jazeera em Jerusalém, Walid al-Omari, disse que Abu Akleh foi morta deliberadamente e que não houve confrontos com homens armados no local do tiroteio. Falando ao The Guardian, Shatha Hanaysha, jornalista da Quds News Network que testemunhou o incidente, lembrou: “Éramos um grupo usando equipamentos de imprensa e Shireen estava usando o capacete. Então, é óbvio que quem atirou nela pretendia atingir a parte exposta de seu corpo.”

Hanaysha chamou o ocorrido de “assassinato”. Isso foi ecoado por uma declaração oficial divulgada pela Al Jazeera condenando o “assassinato flagrante” de Abu Akleh, “assassinado a sangue frio”, antes de pedir à comunidade internacional que responsabilize as forças israelenses.

Abu Akleh havia relatado e documentado a opressão de Israel aos palestinos por mais de 15 anos para a Al Jazeera árabe. Para palestinos como eu, seu jornalismo encarnava a coragem palestina diante do regime brutal de Israel.

Mas, apesar do status particular de Abu Akleh entre os palestinos e a imprensa, o diretor de Israel e Palestina da Human Rights Watch, Omar Shakir, sugeriu que sua morte não era incomum. Por um lado, tem uma semelhança considerável com as mortes de Ahmad Abu Hussein e Yasser Mortaja, dois jornalistas palestinos baleados por atiradores israelenses enquanto cobriam os protestos da Grande Marcha do Retorno em 2018. Na verdade, há um ano nesta semana, durante o implacável ataque de Israel à Faixa de Gaza, jatos israelenses explodiram um prédio que continha os escritórios de organizações de notícias, incluindo Associated Press e Al Jazeera.

De acordo com o Sindicato dos Jornalistas Palestinos (PJS), 50 jornalistas palestinos foram mortos desde 2000. Repórteres Sem Fronteiras dizem que pelo menos 144 jornalistas foram feridos pelas forças israelenses, inclusive com balas, cassetetes e granadas de efeito moral, desde 2018. No mês passado, uma queixa formal foi apresentada ao Tribunal Penal Internacional pela Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), o Sindicato de Jornalistas Palestinos e o Centro Internacional de Justiça para Palestinos (ICJP) sobre o “ataque sistemático” de Israel a jornalistas palestinos. Separadamente, o I’lam – Centro Árabe para Liberdade, Desenvolvimento e Pesquisa da Mídia descobriu no ano passado que ataques e atos de assédio contra jornalistas e trabalhadores da mídia israelense-palestinos que estavam cobrindo manifestações em Israel e nos territórios ocupados foram cometidos majoritariamente por forças israelenses.

Apenas alguns dias atrás, soldados israelenses atacaram e feriram o repórter local Basil al-Adraa na vila de a-Tuwani nas colinas de South Hebron, enquanto ele estava relatando que soldados israelenses estavam ordenando um palestino derrubar uma estrutura improvisada que ele tinha construído. Os soldados ficaram descontentes quando al-Adraa tentou filmá-los. Aí está o objetivo: sufocar a documentação da limpeza étnica e da opressão sistemática em que as forças israelenses estão engajadas, para que possa prosseguir sem conscientização e responsabilidade.

Não é coincidência que esses atos de violência ocorram em um momento em que os maus-tratos e o deslocamento forçado de palestinos estão piorando. Na semana passada, a alta corte de Israel deu luz verde ao despejo de mil palestinos em Masafer Yatta, uma área rural de South Hebron Hills que abriga várias pequenas aldeias palestinas. Essa desapropriação, de terras destinadas a serem reaproveitadas para uso militar, constituirá uma das maiores expulsões individuais de palestinos em décadas.

Esta semana marca 74 anos desde a violência da Nakba – a catástrofe, em árabe – na qual 750.000 pessoas foram refugiadas, milhares foram mortas e centenas de aldeias foram destruídas no período que antecedeu a formação do Estado de Israel em 1948. Nakba não foi um momento único na história, mas constitui um processo contínuo de violência e deslocamento, é um dos fatos que as forças israelenses estão tentando – e falhando – esconder.

“Escolhi o jornalismo para estar perto das pessoas”, disse Shireen Abu Akleh uma vez. “Pode não ser fácil mudar a realidade, mas pelo menos eu poderia trazer a voz deles para o mundo.” Na esteira de sua morte, a importância de ouvir essas vozes fica clara – assim como atender seus apelos por uma solidariedade inabalável diante de mais uma agressão de Israel.

Sobre o autor

HAMZA ALI é pesquisador político em um think tank e estudante de mestrado no King’s College London.

fonte: https://jacobin.com.br/2022/05/israel-assassinou-a-jornalista-shireen-abu-akleh/

 

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x