Movimentos sociais debatem problemas que afetam a periferia de Curitiba

Em encontro, União de Moradores e Trabalhadores levanta problemas e desafios para a organização popular na capital

Pedro Carrano – Brasil de Fato | Curitiba (PR) | 24 de Janeiro de 2022 às 15:25

A proposta é fortalecer a organização popular, o desenvolvimento das pessoas, a luta por direitos e a geração de renda e cooperativismo – Pedro Carrano

A União de Moradores e Trabalhadores e Trabalhadoras (UMT), surgida durante o início da pandemia no bairro Novo Mundo, em Curitiba, especificamente na região conhecida como Bolsão Formosa, realizou, no dia 22 de janeiro, encontro com apoiadores e movimentos populares.

Compareceram o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Coletivo Marmitas da Terra e o Núcleo Periférico, o mandato do vereador Renato Freitas (PT), entre outros, para fazer um balanço de 2021 e ampliar os trabalhos. Em comum, a visão de uma crise econômica e política que impacta comunidades de norte a sul da capital, com as atuais enchentes, falta de moradia, acesso à educação e o problema do desemprego e da fome.

Saiba também: “Marmitas da Terra” chega a cem mil refeições doadas com Natal para pessoas em situação de rua

Diante disso, a proposta é fortalecer a organização popular, o desenvolvimento das pessoas, a luta por direitos e a geração de renda e cooperativismo. “O encontro cumpre o papel de mostrar para os parceiros nossas principais atividades”, afirmou Gentil Couto, morador do bairro Fazendinha, integrante do Comitê Unificado de Lutas e da UMT.

Renato Freitas avalia que é importante aliar iniciativas, caso do Núcleo Periférico e da UMT, em torno de bandeiras que mais afetam a população pobre. “O aluguel tem impacto em 70% na renda das pessoas, é fundamental neste momento o combate à fome, e a preocupação com a questão da segurança pública e direitos humanos”, afirma.

:: Moradores do Parolin, em Curitiba, sofrem com enchentes: “Vamos perdendo tudo a cada chuva” ::

Apoio à produção e frentes de organização

Foi feito o balanço dos trabalhos feitos em 2021 nas frentes de cozinha comunitária, saúde, cultura, produção de tecidos e padaria comunitária, educação e estrutura para solidariedade entre a classe trabalhadora.

No caso da educação, como apontou Jeniele Kogus, do MST, o movimento tem interesse em contribuir em duas demandas importantes das comunidades: o reforço escolar e a alfabetização. É preciso também avançar no item de pontos populares de trabalho e geração de renda.

O Atelier Linha da Esperança, por exemplo, coordenado por mulheres da ocupação Nova Guaporé 2, já adquiriu em menos de um ano quatro máquinas de corte e costura, assim mesmo fará uma rifa e aceita doações para a estrutura do espaço de formação e produção, cujas madeiras se desgastaram muito com a chuva.

Entre as comunidades estavam as lideranças e moradores da Canaã, Formosa, Maria e Uberlândia, Ferrovila, Nova Guaporé 2 e paroquia Santa Amélia. Entre as organizações integrantes da UMT estavam o Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD) e a Consulta Popular.

Fonte: BdF Paraná

Edição: Lia Bianchini

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2022/01/24/movimentos-sociais-debatem-problemas-que-afetam-a-periferia-de-curitiba

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments