"Os podres poderes querem fazer que pensemos que o estado de barbárie impetrados às favelas do Rio se reduza a uma "guerra particular" de policiais X bandidos. Essa é uma narrativa mentirosa e cínica", escreve em artigo Pe. Gegê Natalino, pároco da Igreja de São Daniel Profeta (Favela de Manguinhos), Rio de Janeiro.

 

Eis o artigo.

 

Como padre, no exercício do ministério sacerdotal, na igreja de São Daniel Profeta (Favela de Manguinhos), território vizinho ao Jacarezinho, manifesto publicamente meu protesto e repúdio à carnificina ocorrida em nosso território, historicamente violentado pela ausência do Estado.

Os podres poderes querem fazer que pensemos que o estado de barbárie impetrados às favelas do Rio se reduza a uma "guerra particular" de policiais X bandidos (ou cães X gatos).

Essa é uma narrativa mentirosa e cínica, uma armadilha explicativa que todas e todos sabemos ser enganosa. A propósito, em uma boa parte, policiais e os chamados bandidos, de forma diferenciada, fazem parte da mesma confraria: a dos pretos e pobres - os explorados e os descartáveis. Dessa feita os sangues desses se unem na vala comum dos "condenados da terra".

A questão é muitíssimo mais profunda, complexa e trágica que uma simplória guerra de mocinho e bandido.

A quem verdadeiramente interessa o espetáculo dos corpos dos favelados tombando (e de policiais também)?

Quem patrocina essa aparentemente guerra de mocinho e bandido?

Quem assiste, em gozo, a tal espetáculo fumando charuto e bebendo wisk em confortáveis e insensíveis sofás?

Que Estado se compraz e se abastece desse estado de barbárie?

A quem, de fato, interessa esses massacres com verniz de segurança pública?

O que de inteligência (humana) tem o espetáculo dos corpos tombados no Jacarezinho?

A quem interessa defender essa coisa bárbara, insana, genocida e burra?

De uma coisa sabemos (Conceição Evaristo nos contou):

"A terra está coberta de valas e a qualquer descuido da vida a morte é certa!
A bala não erra o alvo
no escuro um corpo negro bambeia e dança.
A certidão de óbito, os antigos sabem, veio lavrada desde os tumbeiros".

E isso é triste, isso existe… Isso é fato!

Faço minhas as palavras do Papa Francisco em Lampedusa: quem chorará esses sangues?

"Qual um sonho dantesco as sombras voam!... Gritos, ais, maldições, preces ressoam! E ri-se satanás!... Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus, se eu deliro ou se é verdade tanto horror perante os céus?!...". ( Castro Alves). 

 

Leia mais

fonte: http://www.ihu.unisinos.br/609083-carnificina-na-favela-o-espetaculo-dos-corpos-tombados-no-jacarezinho-artigo-de-pe-gege-natalino

 

LEIA TAMBÉM

1. O pacto entre traficantes e milicianos evangélicos proibindo religiões afro-brasileiras no Rio(Religião)... revelou o tal pacto fechado entre traficantes e milicianos do Quitungo, em Brás de Pina, para integrar a quadrilha e a comunidade ao “Complexo de Israel”, que já abrangia Vigário Geral, Parada de Lucas e Cidade ...Criado em 16 Janeiro 2021

2. Traficantes que se dizem evangélicos fecham pacto com milícia para expandir 'Complexo de Israel(Crime)... de favelas na Zona Norte do Rio passou a englobar uma comunidade dominada por paramilitares. Um inquérito da Polícia Civil do Rio obtido pelo GLOBO revela que um pacto fechado entre traficantes e milicianos ...Criado em 03 Janeiro 2021

3. Traficantes criam “Complexo de Israel” e cerceiam liberdade religiosa(Religião)CONIC   Um grupo de traficantes do Rio está aproveitando as fragilidades trazidas pelo coronavírus, tanto do ponto de vista social, quanto do econômico, mas também de segurança pública, para ...Criado em 28 Julho 2020

4. Pelo fim da violência policial nas favelas(Direitos Humanos)... no Jacarezinho, zona norte da cidade do Rio. Apenas um era policial. Foi a segunda maior chacina da história da cidade, e a maior oriunda de uma operação policial. O objetivo declarado era combater traficantes ...Criado em 08 Mai 2021

5. PMs, milícias e governo Bolsonaro: uma relação de apoio, favores, vantagens, privilégios e carteiradas. Entrevista especial com Jacqueline Muniz(Milícia)... é uma relação com vasos comunicantes e os domínios armados para existirem e operarem (sejam eles milicianos, traficantes ou consorciados como o Exército de Israel) necessitam de uma medida de tolerância ...Criado em 08 Mai 2021

6. RJ: Uma cartografia dos tentáculos da milícia(Violência)... guerra ao tráfico, que transformou os territórios populares em campos de guerra. O terror das operações policiais nas favelas, e os enfrentamentos entre os próprios bandos de traficantes, retroalimentados ...Criado em 07 Mai 2021

7. Escorre sangue negro e pobre na chacina realizada pela polícia do Rio de Janeiro(Genocídio)... na cabecinha” de traficantes. Filho de peixe, peixinho é. Com o impeachment de Witzel, no dia 30 de abril, semana passada, Cláudio Castro ganhou de presente o cargo máximo no Estado do Rio. E fez uma festa ...Criado em 07 Mai 2021

8. Pena de morte no Brasil. Operação policial mata 25 pessoas no Jacarezinho, em segunda maior chacina da história do Rio(Direitos Humanos)... a política de segurança pública do governador Cláudio Castro (PSC) no Estado do Rio segue sendo pautada pelo confronto direto com traficantesde droga em favelas e bairros periféricos, em desrespeito a ...Criado em 06 Mai 2021


Para o Estado, as vidas de negros, pobres e favelados não importam?

por Wallace de Moraes - Le Monde Diplomatique
11 de maio de 2021
 
 

Perguntas que não querem calar sobre a Chacina no Jacarezinho de maio de 2021

Vinte e oito pessoas foram assassinadas no dia 6 de maio de 2021 na favela do Jacarezinho no Rio de Janeiro. Com vistas a colaborar para o melhor entendimento dessa chacina, apresentamos um texto só com perguntas que “não querem calar”. Esperamos que elas ajudem a pensar e a elucidar os fatos, que não são pouco comuns no nosso país. Vamos a elas.

 

Sobre o planejamento da operação e os resultados humanos

Quais foram os propósitos da operação policial no Jacarezinho? Houve planejamento para assassinatos, execuções, para desfazer as cenas dos crimes? Houve previsão para invasão dos domicílios das pessoas? Os comandantes da operação sabiam que no Jacarezinho tinham pessoas armadas? Alguém imaginou que elas pudessem resistir? Foi previsto que policiais, crianças, adolescentes, enfim, seres humanos poderiam morrer na operação? Para o Estado, as vidas de negros, pobres e favelados não importam?

Os governantes pensaram no trauma para crianças, adultos e adolescentes que assistiram a execuções sumárias de pessoas? Pensaram nas famílias acuadas diante de tantos tiros? Levaram em conta o número de crianças que vivem na comunidade? Refletiram sobre o peso da crise para os trabalhadores que não puderam sair de casa? Ponderaram que um enorme tiroteio pudesse resvalar em passageiros do metrô e de outros transportes públicos? As autoridades que determinaram a ação policial pensaram nas milhares de pessoas que ficaram com suas vidas em risco com a operação? Não calcularam nada disso ou foi tudo planejado e, portanto, o objetivo era realmente fazer correr sangue de pobres, negros e favelados? Se planejaram tudo isso, o confronto era a melhor opção? Qual objetivo justificava colocar todas as vidas supracitadas em risco? Se houve planejamento, ele foi bem executado? Se sim, podemos concluir que o Estado é assassino, colonialista e racista e o policial é um capitão do mato contemporâneo? Aliás, quem mais morre com ações policiais nas favelas e periferias são os pobres e pretos? Não existem direitos civis para essas pessoas? Para o Estado, as vidas de negros, pobres e favelados não importam?

 

Sobre o racismo colonialista ainda persistente

Durante o período de escravidão explícita no Brasil, os negros eram tratados como não humanos, os indígenas como sub-humanos. As favelas são habitadas majoritariamente por descendentes dessas etnias, é por isso que o tratamento é diferente? Em suma, os moradores das favelas e periferias por serem descendentes dos corpos escravizados em sua maioria ainda são tratados de maneira similar ao período da escravidão? Os direitos para eles são meramente formais, pois na prática não são respeitados? A polícia faria a mesma operação em condomínios de luxo, habitados majoritariamente por ricos e descendentes dos colonizadores? Para o Estado, as vidas de negros, pobres e favelados não importam?

 

Sobre o tráfico de drogas

Como chegam as drogas nas comunidades? Existem policiais e políticos que se beneficiam do tráfico de drogas realizados por jovens pobres nas favelas? É verdade que existe o que popularmente se chama de “arrego”, isto é, dinheiro que os vendedores de droga ilícita são obrigados a pagar para os policiais permitirem o seu comércio? Manter as drogas ilegais ajuda na existência de corrupção nas polícias e na política de terror sobre as favelas? A política de combate às drogas está em curso há décadas. A venda de drogas acabou em algum lugar por isso? Houve alguma melhora na qualidade de vida das pessoas que moram nas favelas em função dessa política? Houve alguma diminuição da suposta criminalidade? As incursões policiais nas favelas resultam em assassinatos de crianças e adolescentes? Essas ações acabam com o tráfico de drogas? Para o Estado, as vidas de negros, pobres e favelados não importam?

favelados
(Foto: Laura Toyama/ LMDB)

Sobre o tráfico de armas

Liberar o comércio de armas, como alguns políticos propõem, atende a quais interesses? Como os supostos “traficantes” têm acesso às armas de grosso calibre? Eles não fabricam essas armas nas comunidades, não é? Como elas chegam ao Brasil e às favelas? Interessaria às polícias (federal, rodoviária, militar, civil), às Forças Armadas (Exército, Marinha Aeronáutica) e às agências de inteligência (ABIN) investigar isso? Com tantos recursos tecnológicos e de pessoal, não seria interessante montar uma força tarefa nacional para combater o comércio ilegal de armas? Interessa às indústrias de armas vender fuzis para os supostos “traficantes” e para os governos armarem suas polícias? Isto é, interessa às indústrias de armas a guerra ao tráfico, mas sem jamais acabar com ele? É verdade que seus altíssimos lucros estão diretamente ligados ao comércio que a venda de munições, helicópteros, carros-tanque e equipamentos de segurança (coletes, capacetes etc.) proporcionam? Quem dirige os lobbies das indústrias de armas no Brasil? Quem propõe a liberação do comércio de armas está a favor da política de extermínio em curso, buscando aprofundá-la? Ao defender essas políticas, essas pessoas sabem que as vidas de pobres, negros e favelados estão em risco? Quem acoberta as milícias está a favor da liberação do comércio de armas no Brasil? Para o Estado, as vidas de negros, pobres e favelados não importam?

 

Armas ou educação: qual é o melhor caminho e para quem?

Seria melhor investir em educação para os pobres com escolas integrais decentes, contendo piscinas, quadras poliesportivas, ar-condicionado nas salas, computadores de primeira qualidade, profissionais de educação com salários dignos, total infraestrutura para o exercício do ensino-aprendizagem? Seria interessante investir em creches, atividades esportivas e culturais nas comunidades? O valor de um fuzil daria para colocar quantos ar-condicionado nas salas de aula, quantos computadores? Daria para pagar quantas bolsas de R$400 para alunos estudarem nas comunidades? Quantos fuzis possuem as polícias civis, militares e as Forças Armadas? Qual é a prioridade do Estado, matar ou ensinar? Para o Estado, as vidas de negros, pobres e favelados não importam?

 

Conclusão

O Estado, seus governos e suas polícias nunca fizeram essas perguntas ou são parte ativa e consciente desse processo? O Estado é inerentemente racista, é exterminador de negros e favelados insubmissos? A prisão, o cemitério e a imposição do medo aos pobres são políticas colonialistas? A execução sumária de jovens nas favelas e periferias é a institucionalização da pena de morte no Brasil praticada por agentes policiais com a anuência do Judiciário e dos governantes políticos e econômicos? Para o Estado, as vidas de negros, pobres e favelados não importam?

Se o Estado brasileiro é um descendente legítimo do Estado moderno colonialista português, podemos dizer que ele é racista e por isso assassina negros há séculos? Assim, podemos chamá-lo por necro-racista-Estado? Por fim, se respondermos positivamente às perguntas supracitadas, podemos dizer que existe uma necrofilia colonialista outrocida em curso no Brasil praticada por um necro-racista-Estado que busca assassinar principalmente negros, indígenas, pobres e favelados insubmissos? Significa dizer afirmativamente que, para o Estado, as vidas de negros, pobres e favelados não importam.

 

Wallace de Moraes é professor da UFRJ nos Programas de pós-graduação em Filosofia (PPGF) e em História Comparada (PPGHC). Líder do grupo de pesquisa CPDEL (Coletivo de Pesquisas Decoloniais e Libertárias): https://www.youtube.com/channel/UCI6ALgmE_efoCONkrPmQ9fw/featured

 

fonte: https://diplomatique.org.br/para-o-estado-as-vidas-de-negros-pobres-e-favelados-nao-importam/